Hoje vemos uma crescente de pessoas que busca aumentar os horizontes e conhecer o mundo… ou, ao menos, muitos lugares diferentes. Pessoas que querem deixar de lado a rotina do dia a dia para viver em constantes mudanças. E, principalmente, que querem deixar de valorizar coisas, e dar mais valor a momentos e experiências. Para quem pensa em fazer o mesmo, ou quer saber mais sobre o tema, nesse post trago algumas dicas de como se tornar um nômade digital.

Em nosso passado (distante), a humanidade já era naturalmente nômade. Diferentes povos, de diferentes locais do mundo vagavam livremente de uma região a outra, em busca das melhores oportunidades para caçar, reunir e proteger suas tribos e famílias. Com o passar do tempo e o surgimento da civilização moderna, veio a quebra deste paradigma, com o estabelecimento da sociedade como conhecemos hoje.

Nos últimos tempos, muitas pessoas têm buscado quebrar mais esse paradigma. E isso é mais do que simplesmente sair de férias, ou então abandonar as obrigações temporariamente para viver um sonho. Trata-se de conciliar a vida real com a liberdade de viajar pelo mundo, tornando-se um nômade digital, sem fronteiras para poder viver e trabalhar em qualquer lugar.

Parece um sonho, é possível mesmo?

Não é uma tarefa tão fácil estabelecer o estilo de vida necessário para se tornar um nômade digital. Tanto pela questão financeira quanto por questões culturais que desenvolvemos todos esses anos. Porém, se esse é o seu sonho, trace as metas para atingir o objetivo final. Pode parecer algo difícil, mas é possível de se realizar.

 

Como se tornar um nômade digital

Primeiro passo: renda

A primeira parte do planejamento para se tornar um nômade digital é viabilizar esse projeto. Para isso, é necessário ter uma fonte de renda que não exija um trabalho em local fixo. Uma boa opção é a renda passiva, ou seja, a que vem de ativos e que exige pouco trabalho, como investimentos, locação de imóveis, aposentadoria etc.

Outra forma é com trabalhos que possam ser feitos remotamente e, em muitos casos, com flexibilidade de horário. Algumas opções, por exemplo, são: webdesign, produção de conteúdo, venda de produtos, tradução, marketing digital etc. Veja mais sobre as opções de trabalho para nômades digitais neste outro post.

Ao conseguir a renda passiva ou trabalho em home office, metade do caminho está percorrido: você já estará apto a gastar seu tempo em qualquer lugar do mundo que poderia acomodar seu estilo de vida nômade.

 

Segundo passo: planejamento financeiro

Não basta apenas ter a fonte de renda definida, é importante também fazer todo o planejamento caber no bolso. Lembrando que há destinos mais caros e mais baratos, assim como em cada destino há opções mais luxuosas, e outras de mais baixo custo. É preciso adequar o seu estilo de vida e de viagem à renda mensal.

Uma parte desse planejamento consiste em reduzir despesas. Quem está morando em um mesmo lugar há bastante tempo, provavelmente terá custos mensais fixos, como TV por assinatura, telefone, academia, clube e por aí vai. O ideal é eliminar esses gastos antes de iniciar a vida nômade, afinal, serão gastos em vão e podem atrapalhar nas novas necessidades mensais.

 

Terceiro passo: minimalismo

Para que a vida como nômade digital seja possível, é preciso aprender a viver com o mínimo possível. Afinal, será bem difícil empacotar toda a casa e levar com você por aí, não é? Então lembre-se: valorize os momentos, e não as coisas, como mencionei acima. Analise bem aquilo que de fato é indispensável no seu dia a dia. O que você não usa há 6 meses / 1 ano? Pode ficar para trás.

 

Quarto passo: planejamento da viagem

Enfim a parte mais divertida. É hora de pensar nos destinos que você quer viver como nômade digital. Veja em detalhes: melhor forma de chegar até lá, formas de se locomover na cidade, quanto custa alugar apartamento, compras de mercado, passeios etc. No caso de quem trabalha em home office, é importante avaliar a qualidade da internet também, para garantir que o trabalho continue em dia.

Certifique-se de fazer uma pesquisa extensa sobre os destinos antes de partir. Apesar de ser legal ter a liberdade de ser um nômade digital, é importante estar seguro de que tudo estará nos conformes para não entrar numa fria.

Ainda assim, pode ser que as coisas não funcionem como planejado. Por isso, tenha sempre um plano B, caso o plano A não dê certo.

 

Quinto passo: aproveite!

Chegou a hora de cair na estrada e começar a “vida nova”. Lembre-se de aproveitar muito, absorver muita cultura dos lugares que conhecer e tirar muitas fotos!